Animais como Terapia

A Cinoterapia ajuda na superação de problemas

Por Marisa De Lucia

Com suas brincadeiras divertidas e uma amizade profunda, nem sempre encontrada entre os humanos, os animais de estimação conquistaram definitivamente o homem.

Young woman playing with dog on couch

Muito fiéis e bastante brincalhões, os cães divertem e fazem companhia, além de desempenharem um papel ainda mais nobre, ajudando nas perdas, por exemplo.

Diversos estudos com pessoas que perderam seus cônjuges mostram que os donos de animais de estimação estavam menos propensos à depressão e à sensação de isolamento. Sua saúde era melhor e exigia menos medicamentos.

A Cinoterapia, terapia assistida por cães, ajuda crianças, adolescentes e idosos a superarem seus problemas. O método utiliza o cão durante as sessões de análise, devidamente acompanhados de um profissional.

Médicos, psicólogos, assistentes sociais e veterinários acreditam na capacidade desses animais de despertar emoções comunicativas no ser humano, facilitando o processo de autoconhecimento.

A técnica é indicada, ainda, para o tratamento de comportamentos indesejados como medos e fobias, além de traumas.

Nesse tipo de situação, a criança tende a tornar-se retraída e o cão a auxilia a expressar sentimentos e emoções contidas.

O cão atua como “co-entrevistador”, ou seja, as perguntas são dirigidas à criança, de forma lúdica, em nome do cão, tornando o processo de entrevista bem mais tranquilo.

Abaixo, alguns dos benefícios do convívio com animais de estimação para crianças e adultos, tanto para nosso físico como para o emocional e o educacional:

Para o físico:

  • Ajuda a melhorar as habilidades motoras
  • Melhora a posição de equilíbrio
  • Faz com que adotemos alguns hábitos saudáveis como exercícios

Para o emocional:

  • Ajuda a aliviar o estresse e a solidão
  • Reduz a ansiedade e a depressão
  • Faz aumentar a autoestima
  • Promove a interação social
  • Aumenta as habilidades de atenção
  • Faz com que desenvolvamos habilidades de recreação

Para o educacional:

  • Faz aumentar o vocabulário
  • Ajuda na memória de longo ou curto prazo
  • Melhora a vontade de se envolver em uma atividade de grupo

Tudo de bom o que esses amiguinhos trazem para a nossa vida, não é mesmo?

Anúncios

Os pets também sofrem de estresse

E passam por mudanças comportamentais ou fisiológicas

Por Marisa De Lucia

Assim como seus donos, os pets também sofrem de estresse por várias razões.

De acordo com uma pesquisa sobre doenças relacionadas com estresse nos gatos domésticos, a maior fonte de estresse para estes animais é o relacionamento hostil com outros animais da casa.

pet-estresse

Tanto os gatos, como os cães precisam de um convívio harmonioso, especialmente com outros animais e crianças que, muitas vezes, podem perturbá-los com brincadeiras inconvenientes.

E é fácil saber se seu pet está estressado, pois eles passam por mudanças comportamentais ou até mesmo fisiológicas, dependendo do grau de estresse.

Além de alterar seu comportamento, podendo ficar manso demais ou raivosos, eles podem ter diarreias e automutilação.

Por isso, fique atento. Seu pet precisa, além de espaço, e cuidados com sua alimentação e necessidades, atenção, carinho e de um convívio harmonioso, lembrando que as alterações bruscas de temperatura também podem afetar os animais.

Os sintomas do estresse, além de apatia e agressividade, são aceleração na frequência cardíaca e na respiração, o que pode afeta se sistema imunológico.

Ao observar sintomas de estresse em seu pet, procure imediatamente um veterinário.

Afinal, eles são seres com as mesmas necessidades nossas, não é mesmo?

Ou, em certos casos, até mais!