Saiba mais sobre a Leishmaniose canina

E como evitar que seu pet se contamine

Por Marisa De Lucia

Considerada fatal, tanto para humanos quanto para o cão, principal hospedeiro, a Leishmaniose, transmitida pela picada do inseto conhecido como mosquito-palha, pode causar falência de órgãos como rins e fígado e, se não tratada, pode levar à morte em 90% dos casos.

veterinario-cao-ok

De acordo com estudos feitos no Brasil, a Leishmaniose é causada pelo protozoário leishmania e se alastra cerca de 30 km por ano. Isso acontece, principalmente, pelo fluxo migratório de animais, como em viagens de férias, e devido à construção de residências em áreas de mata, habitat do mosquito.

Segundo Douglas Presotto, coordenador do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Campinas, até 1998 não havia nenhum registro de Leishmaniose no Estado de São Paulo. A primeira cidade paulista a registrar a doença foi Araçatuba, em 1998, e em 1999 veio o primeiro caso em humanos.

Hoje em dia, a doença é considerada endêmica em cidades como Bauru, Cotia e Embu, sendo que as duas últimas já fazem parte da Grande São Paulo. O primeiro caso em Campinas, segundo o veterinário, foi registrado no final do ano passado, em três cães. Todos eles moravam em casas construídas próximas à mata.

A cidade de São Paulo nunca registrou a doença, segundo a Secretaria Municipal da Saúde.  No entanto, atualmente, já foram detectados casos da doença também em cidades do interior como Indaiatuba, Bauru, Araçatuba, Araraquara e Ribeirão Preto e no litoral, em Itanhaém, Guarujá, Bertioga e Peruíbe. Por isso, todo o cuidado é pouco.

Embora, por enquanto, não existam casos de cães infectados na capital, já há animais que contraíram o parasita em outros locais e vivem em São Paulo.

O cão é o principal hospedeiro da doença, mas outros animais como gatos, raposas e roedores podem, também, ser afetados.

O parasita é transmitido aos cães e ao homem pela picada de fêmeas de flebótomos, nome científico do mosquito-palha, que vivem em caixotes de lixo, jardins, matas etc.

Os sinais clínicos mais frequentes da Leishmaniose são: emagrecimento, perda de pelo constante, crescimento exagerado das unhas, úlceras e descamação da pele, atrofia muscular, sangramento nasal, anemia, alterações dos rins, fígado e articulações e aumento dos gânglios linfáticos, entre outros.

Contudo, esses sintomas são comuns em outras doenças menos graves, por isso, se seu cão apresentar esses sintomas não quer dizer que o mesmo está com Leishmaniose. O diagnóstico preciso só pode ser feito por um médico veterinário, que irá confirmá-lo após exames laboratoriais.

Vale lembrar que não se pega Leishmaniose de cães ou outros animais, mas somente pela picada do inseto que estiver infectado. E, ainda, que o cão é apenas mais um hospedeiro da Leishmaniose e tem sido o mais injustiçado, pois mesmo que todos os cães do mundo deixassem de existir, a doença continuaria a crescer.

No entanto, o que é preciso ficar claro que, tanto os humanos como os animais infectados, mesmo tratados, serão portadores do parasita o restante de suas vidas e deverão ser mantidos sob rígido controle. Os cães deverão ter contínuo acompanhamento de um médico veterinário, com a realização de exames laboratoriais periódicos.

Para prevenir esta doença, deve-se aplicar regularmente em seu pet inseticidas com efeito repelente sob a forma de coleiras ou pulverização, de modo a impedir a picada do inseto.

Consulte seu veterinário!

Anúncios

Tapete gelado para cães

Sem energia elétrica, água nem refrigeração!

Por Marisa De Lucia

Este ano, com o calor de rachar, as lojas de acessórios para pet não estão dando conta de vender o tão procurado “tapete gelado” para cães.

Tapete-Gelado-Jambo11ok

Afinal, para tentar aliviar o calor desses nossos amiguinhos, fazemos qualquer coisa, não é mesmo?

O tapete, fabricado com nylon, é recheado com espuma e gel não tóxicos e à medida que o cão se deita ele ativa o gel com a pressão do corpo animal, baixando a temperatura entre 6ºC e 10°C à que estiver sendo registrada no local.

Tapete-Gelado-Jambo122

O tapete, que é comercializado nos tamanhos P, M e G, tem agradado demais os pets que já estão fazendo uso e a procura está em ritmo acelerado.

Muito bom, não é mesmo?

Nossos amiguinhos agradecem!

Como dar uma vida saudável ao seu pet

E deixá-lo sempre forte e feliz!

Por Marisa De Lucia

Para que seu pet tenha uma vida saudável e esteja sempre feliz ao seu lado, é preciso alguns cuidados essenciais.

Afinal, assim como nós, os pets também podem ter seu estado físico e humor alterados quando não recebem o devido tratamento.

pet-feliz

Por isso, precisamos estar atentos com sua saúde e com as brincadeiras, exercícios e passeios que eles necessitam para ficar em forma e se alegrar.

– Água limpa e fresca

Mantenha sempre um pote de água disponível para que ele possa matar a sede quando e quantas vezes quiser. Troque essa água uma ou duas vezes ao dia e limpe o pote para não acumular sujeira e evitar que se forme limbo no fundo do recipiente.

– Boa alimentação

A alimentação de seu pet deve ser adequada para ele e conter todos os nutrientes que ele necessita para estar saudável e sem perigo de ficar obeso. Procure dar sempre ração de qualidade e fresca. Caso, ele não goste da ração, vá experimentando até que encontre uma que o deixe satisfeito e feliz.

– Sono

Um lugar adequado e confortável para dormir é o mínimo que nosso pet precisa, mesmo porque ele costuma dormir mais de uma vez ao dia, não é mesmo? Procure caminhas apropriadas que façam ele ter um sono tranquilo e fique realmente descansado.

– Brincadeiras e Passeios

Tenha sempre brinquedos divertidos para ele e reserve um tempo para dar atenção e brincar com seu pet. Isto é fundamental para que ele não entre em depressão.

Não deixe seu pet muito tempo sem atividade, procure passear com ele, pois alguns precisam se exercitar mais que outros. Os dog walkers são uma ótima opção, caso você não tenha tempo para levá-los passear.

– Vacinação

A vacinação é fundamental para a saúde de seu pet. Além das vacinas que recebem enquanto filhotes, outras vacinas são necessárias de tempos em tempos. Fale com seu veterinário e se informe. Algumas vacinas são fundamentais quando você viaja com seu pet. Fique atento a isso!

Cuide bem do seu pet!

Retribua todo o amor e dedicação que ele, certamente, dá para você diariamente!

Mantenha a vacinação do seu pet em dia

Para evitar doenças que podem até matar

Por Marisa De Lucia

Mantenha sempre a vacinação de seu pet em dia.

Entre as inúmeras doenças que se pode evitar com as vacinas está a raiva, uma doença grave que não tem cura e pode até matar seu pet.

veterinarios-pets

O animal infectado pode transmitir a doença para pessoas e outros animais por meio de lambidas, arranhões e mordidas. Por isso, a melhor solução contra a raiva é vacinar seu pet todos os anos.

Outra vacina que protege seu pet contra outras doenças perigosas é a V10.

Você sabe para que serve a vacina V10? Hoje, ela substitui a V8, que ainda existe no mercado, portanto, é mais potente, pois protege contra 10 diferentes tipos de antígenos.

Esta vacina protege contra as seguintes doenças: Cinomose, Parvovirose, Coronavirose, Adenovirose, Parainfluenza, Hepatite Infecciosa Canina e 4 tipos de Leptospirose.

Lembre-se que uma das formas mais eficientes de cuidar da saúde de seu pet é manter sua vacinação em dia.

Informe-se com seu veterinário!

Benefícios dos exercícios físicos para pets

Para evitar problemas de saúde e comportamentais

Por Marisa De Lucia

O exercício físico para os pets não é apenas uma distração, mas sim uma necessidade para manter seu bem-estar físico e mental.

Assim como acontece com as pessoas, a obesidade está se tornando um grande problema de saúde entre os animais.

exercicios-pets

Várias são as doenças causadas por obesidade como problemas de pele, diabetes, dores de coluna, pressão alta, alteração da função hepática e até mesmo problemas cardíacos e o risco de desenvolver câncer.

A falta de exercício também acarreta alterações comportamentais como depressão, hiperatividade, destruição de móveis e objetos na casa e até agressividade.

Para que seu animalzinho se exercite é necessário que você o leve caminhar, brinque com ele ou que ele tenha uma companhia que o estimule. Do contrário, ele passará boa parte de seu tempo dormindo ou sem fazer nada.

Se você não tem tempo para levar seu cão para caminhar, procure por serviços de dog walker ou até mesmo de alguma academia especializada nos exercícios físicos para animais de estimação, uma tendência que já chegou ao Brasil.

Além dos passeios e caminhadas, existem várias formas dos cães se exercitarem como corridas, natação, frisbee, agility e brincadeiras.

No entanto, é importante ressaltar que nem todos os cães podem praticar todas essas atividades. A idade, seu estado de saúde e o nível de gasto energético que ele possui é que vão determinar que tipo de exercício físico você pode fazer com ele.

Para saber quais os melhores exercícios para seu pet, pesquise sobre as necessidades da raça e procure se informar com seu veterinário.

Os exercícios físicos estimulam a saúde mental e física dos pets, beneficiando seus ossos, músculos, articulações e, ainda, os sistemas cardiorrespiratório e digestivo.

Outra grande vantagem é que a prática de exercício estimula a liberação de endorfina, hormônio relacionado com a felicidade, e, com isso, seu cão se sentirá bem menos estressado e feliz.

Dicas para uma boa caminhada:

  • Procure fazer seu cão caminhar 30 minutos por dia, com pequenas pausas, respeitando seu limite.
  • Em dias de sol quente, saia com ele antes das 10h ou depois das 15h.
  • Leve água fresca e pare para ele descansar em lugar com sombra.
  • Evite oferecer comida imediatamente antes da caminhada.
  • Se o cão for idoso, caminhe mais devagar.

Afinal, eles são seres com as mesmas necessidades nossas, não é mesmo?

Ou, em certos casos, até mais!

Doenças dermatológicas em cães e gatos

Muitas são bem semelhantes e podem confundir

Por Marisa De Lucia

As doenças dermatológicas em cães e gatos são muito semelhantes entre si, quanto ao aspecto das lesões, e podem confundir.

Por isso, é fundamental que ela seja diagnosticada por um veterinário com vivência em dermatologia, para evitar submeter o animal a desacertos que podem agravar ainda mais o quadro clínico.

cachorro-e-gato-juntos

Nos cães, as doenças dermatológicas mais comuns são escabiose, conhecida como sarna, causada pelo ácaro Sarcopte, que produz lesões avermelhadas de aproximadamente um centímetro e muita coceira e é transmissível de um animal para o outro.

A sarna causa a perda de pelos, descamações e crostas na cabeça, orelhas e patas e, se não for tratada, alastra-se para todo o corpo.

No gato, a sarna é causada por outro ácaro, o Notroedis cati. Os sintomas são praticamente os mesmos que nos cães, no entanto, as lesões surgem, principalmente, na cabeça e nas orelhas.

Outra doença dermatológica é a demodicose ou “sarna negra”, causada por outro agente, mas que não é transmissível entre animais, somente da mãe para o filhote. Enquanto a escabiose pode ser tratada, a sarna negra não tem cura, apenas pode ser controlada.

Já as piodermites, são infecções cutâneas primárias causadas por bactérias piogênicas, com ou sem a formação de pus, e as disqueratoses são distúrbios ou alterações no processo de queratinização da pele.

Nos gatos, temos com muita frequência as dermatofitoses, conhecidas como micoses superficiais e as otoacaríases ou “sarna de orelha” e escabiose e alergias.

Para saber se seu pet está com algum problema dermatológico, escove-o diariamente para poder prestar mais atenção à sua pele. Os principais indícios são: perda de pelo, descamação da pele, oleosidade e mau cheiro, coceira excessiva, mudanças na cor do pelo e da pele, lesões salientes ou úlceras que sangram facilmente.

Entre os vários tipos de alergias, estão a alergia de cães ou gatos por

pulga, que deve ser combatida por meio do uso de pulicidas tópicos para combater a infestação no animal e, também, do uso de inseticidas ambientais para combater a proliferação no ambiente.

O mercado disponibiliza hoje uma gama muito ampla de produtos eficazes e seguros para o combate da pulga, mas qualquer um deles deve sempre ser prescrito por um médico veterinário, que saberá indicar os cuidados necessários antes, durante e após a aplicação.

Além de desencadear alergia, a pulga pode transmitir doenças como verminose e anemia infecciosa.

Por isso, todo cuidado é pouco!

Como escovar os dentes do seu pet

Para evitar o tártaro e o mau hálito

Por Marisa De Lucia

A falta de limpeza dos dentes dos cães pode provocar não só aquele desagradável mau hálito, mas também o tártaro, uma doença que provoca problemas na gengiva, queda de dentes e Infecções graves podendo até matar, se não for tratada.

pet-escovar-dentes

Escovar os dentes do seu pet é fundamental por vários motivos. Além de melhorar seu hálito e evitar o tártaro, trata-se de uma prática de liderança sobre o cão, o que faz com que se torne submisso e passe a obedecê-lo.

Seguem, portanto, algumas dicas de como escovar os dentes do seu cão:

∙ Deixe para escovar os dentes do seu pet quando ele estiver bem relaxado e procure criar uma rotina. O ideal é escovar todos os dias, mas se a boca estiver saudável, três vezes por semana já é suficiente.

∙ Use escova e pasta de dentes para cães, pois elas vêm em sabores agradáveis como carne ou frango. Nunca use a sua pasta de dentes, pois ela contém ingredientes que podem ferir o estômago do seu pet.

∙ Fique sempre no mesmo local, que seja agradável para você se posicionar à frente ou ao lado dele. Quando ele estiver ansioso, adie a escovação.

escovando-dentinho

∙ Comece passando os dedos na gengiva dele sem pasta, logo depois com a pasta, antes de começar a escovar com a escova de dente. Deixe que ele dê umas lambidinhas para se acostumar com o sabor.

∙ Se perceber que ele não gostou do sabor da pasta de dentes, troque por outro até acertar um que ele goste.

∙ Procure escovar o mais suavemente possível em pequenos círculos, indo de cima para baixo, por uns 2 minutos pelo menos. Ser notar um pequeno sangramento, não se assuste, pois é normal. Mas caso continue, sem que escove forte, é bom consultar um veterinário.

∙ Mantenha o bom humor e faça brincadeiras para deixá-lo relaxado.

∙ Ao terminar, ofereça sempre uma recompensa, que pode ser uma guloseima ou seu brinquedo favorito. Assim ele irá associar a escovação de seus dentes com algo agradável.

Fique atento, pois doenças digestivas também podem causar problemas em sua dentição.

Por isso, leve-o periodicamente ao veterinário para garantir sua perfeita saúde.